...

Quem tem gordura no fígado pode comer o quê?

Quem tem gordura no fígado pode comer o quê

O que é gordura no fígado?

A doença hepática gordurosa ou gordura no fígado é a presença de grande quantidades de gordura no fígado, o que é chamado de esteatose hepática.

Se você tem gordura no fígado, mas nenhum outro problema de saúde, então você tem doença hepática gordurosa não-alcoólica .

Se não for tratada, pode causar inflamação e dano às células do fígado, causando uma doença chamada esteato hepatite não-alcoólica . Ela causa cirrose , doença hepática em estágio terminal e certamente você precisará fazer um transplante de fígado , e geralmente está ligada a doenças cardiovasculares.

Como os alimentos podem ajudar a tratar a gordura no fígado?

Mudanças na dieta que ajudam na perda de peso e os alimentos ricos em nutrientes e ricos em antioxidantes, como frutas e vegetais, podem reverter ou prevenir a progressão da doença.

Também é importante evitar os alimentos ricos carboidratos refinados, açúcares simples , alimentos fritos, alimentos processados ​​e alimentos ricos em gordura saturada .

A perda de peso, principalmente a gordura da barriga (tecido abdominal ou adiposo), pode ajudar a reduzir a gordura no fígado.

Como a doença hepática gordurosa está ligada à obesidade, resistência à insulina , síndrome metabólica e aumento do risco de doenças cardiovasculares, a perda de peso é um dos principais objetivos – e a dieta pode ajudar nisso.

Benefícios

A pedra angular de qualquer tratamento para os pacientes com gordura no fígado não alcoólica é a modificação do estilo de vida com foco na perda de peso, exercícios físicos, e melhoria da sensibilidade à insulina.

Recomenda-se uma perda de peso lenta e constante, ao contrário de um emagrecimento rápido. A pesquisa sugere que a perda rápida de peso pode realmente piorar a doença do fígado gorduroso.

A dieta desempenha um papel essencial na perda de peso, e os alimentos e nutrientes específicos são o foco para as pessoas com doença hepática gordurosa.

A redução dos carboidratos simples e da gordura saturada na alimentação pode reverter ou prevenir a progressão da doença.

Na maioria das vezes, a doença hepática gordurosa não causa sintomas, mas costuma estar associada à obesidade, gordura abdominal, dislipidemia, hipertensão, hiperlipidemia ( excesso de gordura no sangue ) e resistência à insulina.

Esses problemas de saúde podem causar uma série de outros sintomas, como falta de energia, flutuações no humor e sono interrompido. A perda de peso pode ajudar a melhorar esses sintomas.

Um grande estudo randomizado descobriu que os participantes que perderam a cerca de 7% de seu peso corporal tiveram melhorias significativas na esteatose e inflamação lobular.

Os pesquisadores sugerem que perder apenas 5%  de peso pode causar grandes melhorias no tratamento. 

Mas deve-se evitar flutuações rápidas de peso e emagrecer a cerca de 500 a 700 g por semana (o que significa reduzir o consumo de calorias diárias em 500 a 1000 calorias).

Como funciona

As recomendações dos macronutrientes provavelmente variam de pessoa para pessoa. No entanto, alguns estudos mostraram que pessoas com doença hepática gordurosa se beneficiam de uma dieta pobre em carboidratos e rica em gorduras insaturadas.

Segundo  um estudo pacientes com gordura no fígado que fizeram dietas com poucas caloria mas com a mesma quantidade de calorias, e diferentes proporções de macronutrientes, os que comeram menos carboidratos (40% contra 60%) e mais gordura insaturada (45% contra 25%) na dieta , melhorou os testes de função hepática.

Algumas pesquisas sugerem que seguir uma dieta pobre em carboidratos ou com carboidratos de baixo índice glicêmico (IG) pode melhorar a gordura no fígado não alcoólica. 

O índice glicêmico pode ser um conceito difícil de seguir, mas escolher os alimentos com índice glicêmico mais baixo (em vez de contar a carga glicêmica) pode ajudar a reduzir a glicose no sangue e a hiperinsulinemia também.

As gorduras poli-insaturadas ( ômega 3 e ômega 6 ) também são destaque, devido à sua capacidade anti-inflamatória e hipolipemiante. Peixes gordurosos e nozes são exemplos de alimentos ricos em ômega 3.

Duração

Uma dieta individualizada com base nas preferências alimentares e estilo de vida do paciente é importante porque não é uma dieta temporária, mas uma mudança de estilo de vida.

Se a dieta for muito restritiva e seguida apenas por um curto período de tempo, os velhos padrões alimentares voltarão e você vai ganhar peso novamente, colocando-se em risco de ter fígado gorduroso e as doenças relacionadas novamente.

Resumindo:

A dieta para pacientes com esteatose hepática, ou gordura no fígado não alcoólica, é permanente. Tenha em mente que você tem uma doença e que as mudanças na sua alimentação e estilo de vida são para sempre.

O que comer

Comer alimentares saudáveis ​​é importante para todos, mas as pessoas com doença hepática gordurosa precisam ter um cuidado especial e observar o que comem.

Os Departamentos de Agricultura e Saúde e Serviços Humanos dos Estados Unidos, recomendam que as pessoas com gordura no fígado mantenham os seguintes princípios alimentares em ao escolher seus alimentos:

  • Metade do prato deve ser composto de frutas e vegetais. Concentre-se em frutas inteiras e varie os vegetais.
  • Metade dos grãos consumidos devem ser grãos integrais.
  • Varie suas fontes de proteína.
  • Troque o leite e iogurte integral pelo desnatado ou produtos sem lactose.
  • Escolha alimentos e bebidas com menos açúcar, gordura saturada e sal (sódio).

LEIA TAMBÉM:

Alimentos permitidos

Grãos integrais: aveia, trigo 100% moído na pedra, cevada, farelo de trigo, arroz integral

Legumes: feijão, lentilha, grão de bico (de preferência secos e não enlatados)

Vegetais com amido: batata doce, nabo, inhame

Vegetais sem amido: brócolis, espinafre, couve, cebola, alho-poró, aspargos, alcachofra, pimentão, cebola, cogumelos, cenoura, tomate, couve-flor

Nozes e sementes: nozes, sementes de girassol, amêndoas, castanhas de caju, pistache

Gorduras saudáveis: azeite de oliva extra virgem, abacate

Proteína magra: carne branca de frango, peru, ovos, carne de porco, proteína vegetal

Peixes gordos: salmão, atum, sardinha

Frutas: frutas vermelhas, kiwi, maçã, laranja, limão

Laticínios com baixo teor de gordura: iogurte grego desnatado, kefir desnatado

Ervas: manjericão, coentro, salsa, alecrim, tomilho, orégano, capim-limão, lavanda

Alimentos não indicados

Carboidratos refinados: pão branco, arroz branco, bolos, biscoitos, bolachas, lasanhas, canelones, pizzas e alimentos embalados congelados

Adoçantes: xarope de milho com alto teor de frutose, xarope de bordo, açúcar

Gordura trans e gordura saturada: margarina, produtos de padaria processados, alimentos fritos, doces, carne com alto teor de gordura, queijo integral, alimentos embalados e preparados comercialmente.

Salgadinhos refinados: batatas fritas, coxinha, rissole, quibe frito e todo tipo de alimentos fritos 

Bebidas açucaradas: refrigerante, suco, bebidas esportivas

Doces: biscoitos, bolos, sorvetes, rosquinhas, sobremesas

Carnes processadas com alto teor de gordura: linguiça, bacon, mortadela e presunto

Melhores alimentos para gordura no fígado

Grãos integrais:

Alimentos integrais em geral – especificamente aqueles que têm índice glicêmico mais baixo, como aveia integral – (são ricos em vitaminas, minerais e fibras) . Eles aumentam a saciedade e na regularidade intestinal, e são um excelente substituto para os carboidratos brancos refinados.

Legumes:

Vegetais ricos em proteínas e fibras, os legumes são um tipo de carboidrato complexo que te ajuda a ficar satisfeito por mais tempo e reduzir as grandes flutuações de glicose no sangue. Eles também têm baixo teor de gordura.

Vegetais com amido:

Esses carboidratos complexos também são ricos em fitonutrientes, fibras e vitaminas, como a vitamina C. A vitamina C é um poderoso antioxidante que também é importante para aumentar a imunidade.

Vegetais sem amido:

Cheios de fibras e com poucas calorias, os vegetais sem amido devem ser a base da maioria das refeições. Eles são volumosos e ricos em nutrientes. Vegetais como alcachofra, alho-poró e alho, que são ricos em oligofrutose, podem reduzir os níveis de triglicerídeos e glicose sérica.

Nozes e sementes:

Ricas em ácidos graxos ômega 3, as nozes e sementes podem ajudar a baixar os triglicerídeos e lipídios. Eles também podem reduzir a inflamação. Procure por sementes cruas e sem sal sempre que possível.

Proteína magra:

A proteína é importante para os músculos e te mantém mais satisfeito. Comparada à proteína com rica em gordura, a proteína magra tem menos calorias e gordura saturada, o que pode ajudar na perda de peso. Por exemplo, trocar 85 gramas de carne moída por 85 gramas de frango pode economizar cerca de 150 calorias.

Iogurte desnatado, kefir:

Ricos em cálcio, vitamina D e probióticos, os laticínios desnatados podem ser uma opção saudável para pessoas com gordura no fígado. A pesquisa mostrou que os probióticos podem ajudar a modificar as bactérias no intestino que podem desempenhar um papel no desenvolvimento e na progressão da doença.

Peixes gordurosos:

Ricos em ácidos graxos ômega-3, peixes gordurosos como o salmão podem ajudar a reduzir os triglicerídeos e a gordura no fígado.

Frutas:

Frutas, como frutas vermelhas e kiwi, são ricas em vitamina C, fibras e antioxidantes. As pessoas que comem mais frutas e vegetais mantém o peso ideal e um índice de massa corporal ( IMC ) mais baixo.

Ervas e especiarias:

As ervas e as especiarias adicionam sabor e são ricas em antioxidantes que combatem a inflamação. Eles têm poucas calorias e também zero de gordura.

Alguns estudos mostraram que a suplementação com vitamina E pode ajudar a reduzir a doença do fígado gorduroso.  Antes de iniciar qualquer suplementação, converse com seu médico. Sempre foque primeiro na alimentação; o espinafre é uma boa opção.

Dicas de como preparar seus pratos

Você deve preparar seus alimentos com pouca gordura. Então prefira grelhar, assar, escaldar e refogar os alimentos. Ao cozinhar vegetais, marinar carnes ou temperar saladas, use sempre gorduras insaturadas, como azeite de oliva extra virgem, óleo de abacate e óleo de canola. As gorduras saturadas, como manteiga, creme de leite integral, devem ser limitadas ou evitadas.

Aromatizar alimentos com ervas frescas e secas e especiarias também é recomendado.

Considerações

Uma dieta saudável que induz a perda de peso irá também reverter o fígado gorduroso ou prevenir a progressão da doença. Provavelmente também causará uma queda na pressão arterial, colesterol, lipídios e glicose no sangue.

A dieta pode variar. A dieta do mediterrâneo, a dieta DASH e uma dieta low carb (pobre em carboidratos) podem funcionar.

Algumas pessoas, especialmente aquelas com diabetes, também podem se beneficiar de uma dieta cetogenica (no entanto, esse tipo de dieta não foi estudada especificamente para pessoas com doença hepática gordurosa e deve ser orientada por um nutricionista).

Algumas contraindicações podem existir dependendo se você toma ou não certos medicamentos. Por exemplo, as pessoas que tomam varfarina são aconselhadas a fazer uma dieta pobre em vitamina K e, portanto, precisam monitorar a ingestão de vegetais sem amido ricos em vitamina K, como espinafre, brócolis, couve, etc.

Além disso, os diabéticos que também têm fígado gorduroso devem monitorar sua glicose regularmente e manter contato com seus médicos para prevenir a hipoglicemia, visto que reduzir a ingestão de carboidratos causará uma redução da glicose no sangue. Na maioria das vezes, a perda de peso e a redução dos carboidratos indicam a necessidade de reduzir ou mudar os medicamentos para diabetes.

Não existe uma dieta padronizada ou específica para a doença hepática gordurosa. Sua dieta deve induzir a perda de peso e ser parte de uma mudança geral no seu estilo de vida que você fará pelo resto de sua vida.

Encontrar o que funciona para você e se comprometer com isso pode ser um desafio e levar algum tempo. Buscar a ajuda de um nutricionista aumenta as chances de sucesso no tratamento.

Sustentabilidade e Flexibilidade

Como não há alimentos totalmente proibidos nesta dieta, e sim um foco nas escolhas de alimentos mais saudáveis, esta dieta é sustentável.

Comece devagar e paciência para fazer substituições. À medida que você continua na substituição dos alimentos, você se sentirá com mais energia e mais saudável, o que provavelmente irá incentivá-lo a continuar o tratamento.

Você pode seguir essa dieta em qualquer lugar, no trabalho ou em casa. O segredo é comer alimentos integrais e naturais sempre que possível.

Hoje, opções de alimentos saudáveis ​​estão disponíveis onde quer que você vá, seja no aeroporto, na loja de conveniência ou no supermercado. Você sempre pode encontrar esses alimentos se concentrar nas escolhas que está fazendo.

Se você não tiver certeza de ter acesso aos alimentos indicados quando sair de casa, considere levar os lanches de casa antes de sair. Por exemplo, coloque algumas amêndoas cruas em um saco e leve no bolso.

Serviços de entrega de refeições saudáveis ​​podem ser ótimas opções se você não gosta de cozinhar ou se tem pouco tempo.

Conclusão:

A distribuição exata de macronutrientes em sua dieta dependerá de uma variedade de fatores, incluindo doenças pré-existentes, idade, nível de atividade física, peso e etc.

Mas os objetivos de um padrão de alimentação saudável para as pessoas com doença hepática gordurosa permanecem os mesmos, não importa o que: perda de peso lenta e constante (não mais do que 500 a 700 g por semana), comer alimentos integrais ricos em nutrientes e reduzir os carboidratos simples, açúcar e alimentos processados.

Ao fazer essas mudanças na dieta, concentre-se também na modificação do seu comportamento, faça exercícios físicos diários e defina metas para alcançar seus objetivos.

Comece hoje, mudando sua vida, alimentação e terá sucesso no tratamento. Seu esforço não será em vão. Com o passar do tempo você se acostuma com a dieta e não vai ter mais desejos de comer alimentos ou bebidas que prejudicam seu corpo!

ASSINE O SITE E RECEBA EM SEU E-MAIL OS NOVOS ARTIGOS

LEIA TAMBÉM:

Fontes:

  1. MedlinePlus. Fatty liver disease. Updated November 19, 2019.

  2. University of Michigan. Non-Alcoholic Fatty Liver Disease.

  3. Promrat K, Kleiner DE, Niemeier HM, et al. Randomized controlled trial testing the effects of weight loss on nonalcoholic steatohepatitisHepatology. 2010;51(1):121-9. doi:10.1002/hep.23276

  4. Ghaemi A, Taleban FA, Hekmatdoost A, et al. How much weight loss is effective on nonalcoholic fatty liver diseaseHepat Mon. 2013;13(12):e15227. doi:10.5812/hepatmon.15227

  5. Mccarthy EM, Rinella ME. The role of diet and nutrient composition in non alcoholic fatty liver diseaseAcademy of Nutrition and Dietetics. 2012;112(3):401-9. doi:10.1016/j.jada.2011.10.007

  6. York LW, Puthalapattu S, Wu GY. Nonalcoholic fatty liver disease and low-carbohydrate dietsAnnu Rev Nutr. 2009;29:365-79. doi:10.1146/annurev-nutr-070208-114232

  7. U.S. Department of Agriculture and U.S. Department of Health and Human Services. Dietary Guidelines for Americans, 2020-2025. 9th Edition. December 2020.

  8. Kargulewicz A, Stankowiak-Kulpa H, Grzymisławski M. Dietary recommendations for patients with nonalcoholic fatty liver diseasePrz Gastroenterol. 2014;9(1):18-23. doi:10.5114/pg.2014.40845

  9. Sharma V, Garg S, Aggarwal S. Probiotics and liver diseasePerm J. 2013;17(4):62-7. doi:10.7812/TPP/12-144

  10. Coumadin (warfarin sodium). Full Prescribing Information. Bristol Myers Squibb.

  11. El Hadi H, Vettor R, Rossato M. Vitamin E as a Treatment for Nonalcoholic Fatty Liver Disease: Reality or MythAntioxidants (Basel). 2018;7(1):12. doi:10.3390/antiox7010012

  12. Dharmalingam M, Yamasandhi PG. Nonalcoholic fatty liver disease and type 2 diabetes mellitusIndian J Endocrinol Metab. 2018;22(3):421-428. doi:10.4103/ijem.IJEM_585_17

Fontes adicionais

Rolar para o topo
%d blogueiros gostam disto: